Justificação pela fé na visão de John Wesley

Justificação pela fé na visão de John Wesley
Acadêmico

17/02/2021

O juízo divino é feito sempre em nome da verdade e da equidade.  Na ótica de Deus, o homem não é somente mal, mas também um transgressor e um criminoso (Rm 3:23; 5:6, 8, 10; Cl 1:21; Tt 3:3). Sendo ímpio, como Deus pode justificar-nos? Se fossemos declarar inocente um culpado, nosso ato seria uma afronta tanto a Deus como aos homens. No entanto, isso é o que Deus faz. A doutrina cristã prega a justificação pela fé.

A palavra “justificar” é um termo judicial que significa absolver, declarar justo ou pronunciar sentença de aceitação. Podemos ilustrar na Teologia como procedem as relações legais: o réu está perante Deus, o justo Juiz; mas ao invés de receber sentença condenatória, ele recebe a sentença de absolvição. A justificação pode ser definida como ato de Deus pelo qual Ele declara justo aquele que crê em Cristo, e não é pelas obras ou merecimento próprio. O âmago do Evangelho encontra–se na verdade de que a justificação tem sua origem na livre graça de Deus (Rm 3:24) e sua provisão no sangue que Cristo derramou na cruz (Rm 5:19).O homem é justificado e passa a ser tratado como justo em suas relações com Deus.

A justificação muda a nossa posição, traz consigo a imputação da retidão. Assim como a pena pelo pecado fora “debitada em nossa conta”, a retidão de Cristo, no ato da justificação, é creditada em nossa conta (Fp 3:9). A epístola aos Romanos trata desse tema mais que qualquer outro livro da Bíblia, ainda que a doutrina possa ser também encontrada em outras porções do Novo Testamento (At 13:39; 1Co 6:11;  Gl 2:16,17; 3:11), e  também no Antigo Testamento (Sl 32:1; Is 43:25; 44:22; Jr 31:34). No capítulo quatro da epístola aos Romanos, Paulo trata exclusivamente a vida do patriarca Abraão, que a justificação dele não se deu em decorrência das obras, mas da fé.

A compreensão sobre a doutrina da justificação atravessou um longo período de distorção na Idade Média. A Igreja Cristã estava completamente fora dos padrões divinos, ensinando que a justificação inclui necessariamente as obras. Naquela época confundiam justificação com regeneração e com santificação. O monge agostiniano Martinho Lutero, inconformado com as distorções doutrinárias acerca da salvação, foi convencido pelas Escrituras de que a justificação se dá pela fé. Devido às considerações acerca da justificação, teve inicio à Reforma Protestante no século XVI. João Calvino defendeu o mesmo que o Lutero, referindo–se à justificação como a essência da religião. Jacó Armínio seguiu essa visão, ao definir a fé justificativa como aquela pela qual os homens crêem em Jesus Cristo como Salvador daqueles, universalmente aos que crêem.

E John Wesley, qual era a sua visão sobre o assunto?

Muitos acusam Wesley porque não adotou e nem ensinou plena a doutrina protestante da justificação pela graça por intermédio da fé. Isso é um equivoco!

Em seu sermão Salvação pela Fé, Wesley destaca que a fé por meio da qual recebemos a salvação é “fé em Cristo”. Ele distinguiu a fé justificadora, que é diferente da fé de um demônio. Enquanto na primeira desfrutamos a benção da salvação, n o segundo tipo de fé temos simplesmente uma crença racional.

John Wesley seguiu a visão reformada da justificação forense. Para ele o conceito da Bíblia sobre justificação é absolvição, o perdão de pecados. A justificação é a reconciliação com Deus pela graça Dele mediante a fé. Mas rompeu com a visão reformada dos efeitos da justificação no sentido da santificação. Ele não concordava com a frase de Lutero de que somos “simultaneamente justos e pecadores”. Em seu sermão A Justificação Pela Fé, Wesley chega a dizer que justificação se dá apenas sobre os pecados do passado.

O teólogo Kenneth Collis comenta que John Wesley não concordava com a visão de Lutero sobre a justificação da fé, porque talvez Wesley temesse que a interpretação caminhasse para o antinomianismo – que significa que nenhuma lei moral é de nenhum uso ou obrigação para o evangelho.  Os teólogos H. Ray Dunning e Collis corroboram com essa atitude de Wesley, principalmente sobre o comentário de Lutero acerca da epístola aos Gálatas. Provavelmente a indagação de Wesley foi acerca da visão reformada da santificação. Henry Clarence Thiessen comenta que podemos comemorar com a Reforma Protestante acerca da doutrina da Justificação pela Fé, mas ficamos desapontados com doutrina da Santidade. O avivamento de Wesley é que enraizou o tema Santidade.

John Wesley era alguém que tinha uma grande preocupação prática na sua Teologia. A prática de Wesley é claramente uma forma viável de fazer teologia em sua orientação da missão da Igreja, em seu cuidado em relação à realização da verdade escritural e em seu serviço ao pobre. Desse modo, sua soteriologia tinha a tendência de enfatizar mais o “fomos salvos para as boas obras do que o fomos salvos pela graça”. Isso não significa que Wesley não valorizasse a mensagem da graça salvadora, pelo contrario, ele tinha uma visão pessimista da natureza pecaminosa da humanidade, e ao mesmo tempo John Wesley era otimista sobre o poder da Graça de Deus.


Posts Relacionados

Núcleo de Teologia em Piratininga

Núcleo de Teologia em Piratininga

Alunos abençoados do Núcleo 005.  Nós da FAPEG não temos palavras

→ Leia mais...
Na Grécia Antiga, as mulheres eram proibidas de estudar medicina.

Na Grécia Antiga, as mulheres eram proibidas de estudar medicina.

Na Grécia Antiga, as mulheres eram proibidas de estudar medicina. Agnodice, u...

→ Leia mais...
HISTÓRIAS SOBRE CAIM, EM VÁRIOS TEXTOS APÓCRIFOS (PROFESSOR HUDSON )

HISTÓRIAS SOBRE CAIM, EM VÁRIOS TEXTOS APÓCRIFOS (PROFESSOR HUDSON )

 HISTÓRIAS SOBRE CAIM, EM VÁRIOS TEXTOS APÓCRIFOS Quando comecei a ler a

→ Leia mais...
Ediuson Fontes

Ediuson Fontes


Prof.: Ediudson Fontes Professor do Seminário de Teologia e Escritor. Graduado em Teologia Pós graduado em Ciência da Religião, Metrado em Teologia Sistemática Colunista da Revista Club da Sabedoria consultor teologico do blog o cristão pentecostal Declaração do Professor Dedico a minha vida ao magistério e principalmente no ensino da palavra do Eterno com amor e afinco. Meu principal objetivo como professor: Gosto de propor pensamentos ao universo cristão e através disso fazer com que meus alunos cresçam e se desenvolva no ambiente do pensamento e galgue patamares alto.

→ Veja o Perfil Completo